Meu perfil
BRASIL, Nordeste, JOAO PESSOA, MANGABEIRA, Mulher


Histórico:

- 01/02/2007 a 28/02/2007
- 01/08/2006 a 31/08/2006
- 01/07/2006 a 31/07/2006
- 01/06/2006 a 30/06/2006
- 01/05/2006 a 31/05/2006
- 01/04/2006 a 30/04/2006
- 01/03/2006 a 31/03/2006
- 01/02/2006 a 28/02/2006
- 01/01/2006 a 31/01/2006
- 01/12/2005 a 31/12/2005
- 01/11/2005 a 30/11/2005
- 01/10/2005 a 31/10/2005
- 01/09/2005 a 30/09/2005
- 01/08/2005 a 31/08/2005
- 01/07/2005 a 31/07/2005
- 01/06/2005 a 30/06/2005
- 01/05/2005 a 31/05/2005
- 01/04/2005 a 30/04/2005
- 01/03/2005 a 31/03/2005
- 01/02/2005 a 28/02/2005
- 01/01/2005 a 31/01/2005
- 01/12/2004 a 31/12/2004



Outros sites:

- UOL - O melhor conteúdo
- Voando pelo Céu da Boca (Dira Vieira)
- Eduardo Gomes - Eróticos e Sensuais
- Luiz Alberto Machado - Eróticos
- Engrenagem - André Ricardo Aguiar
- Antonio Mariano
- Luiz de Aquino
- Simone Carneiro Maldonado
- Zumbi, escutando blues - Linaldo Guedes
- Joaquim Evónio - Varanda das Estrelícias
- Mauro Cassane
- André Chalom
- Green Peace
- Oficina Literária
- Ale Carvalho
- Analu
- Literatura clandestina
- Lúmini - Companhia de Dança
- Jornalista de Merda
- Contos sado-masoquistas
- A cena muda
- O Cárcere das Asas
- Amina Ruthar
- Boicote contra Bush
- Diego Remus - Hyperverve
- Educação - Blog da Cremilda
- Cavalo Verde
- Trabalho & Educação
- Carmen Neves
- J.T. Parreira
- Tulio Vianna
- Luciana Pessanha Pires
- Ensinando tolerância - Brasil
- Manuela Fialho
- Território Mulher
- Cibercultura
- Dicionário de Direitos Humanos


Votação:

- Dê uma nota para meu blog

Indique esse Blog


Contador:

Layout por



Recebi do amigo Carlos Assis:

..........

 

PS. SERIA BOM SE TODOS OS POLITICOS FOSSEM VIAJAR

PARA FORA DO PAIS

E NAO VOLTASSEM

 

ACHO QUE VOCÊ ANDA MUITO REVOLTADA

ESTES DIAS

UM SUCO DE MARACUJÁ

UMA REDE

UM CAMARÃO NO ESPETO

VIRIAM MUITO BEM A CALHAR

ABRACOS APERTADOS

ASSIS

...........

 

Saludos!

Maria José Limeira



- Postado por: Zezé Limeira às 10h11 AM
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




Minhas putas tristes

Acabei de ler "Memória de minhas putas tristes", de Gabriel Garcia Marquez. É um grande livro, apesar de muito machista. A história gira em torno de um velho que, ao completar 90 anos de idade, expõe o desejo de transar com uma virgem, de 12 anos. Faz o contrato num cabaré da cidade. A virgem lhe é entregue pela agenciadora. Mas, segundo o relato, o personagem gosta mais de vê-la adormecida, na cama. Engana-se quem pensa que se trata de obra erótica. A linguagem é poética, com o trágico humano em todas as páginas. A surpresa do livro é que o velho se apaixona pela jovem, perdidamente, e por aí vai. É um romântico, o velho Gabriel Garcia Marquez. Gostei muito.

Maria José Limeira.



- Postado por: Zezé Limeira às 03h47 AM
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




FOLHETINS DA FOME

(Carlos Assis / Maria José Limeira)

..........

 

O BRASIL DORME NAS CALÇADAS

Carlos Assis

 

O país a passos largos cresce

A economia se fortalece

As exportações disparam

As instituições financeiras reinam

 

 

O POVO MORRE DE BALA

Maria José Limeira

 

O Presidente viaja.

O político, larga escala.

A mentira, que mal haja.

Mata ao léu perdida bala...



- Postado por: Zezé Limeira às 03h24 AM
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




Fome - Cont.

A HECATOMBE SE ANUNCIA

Carlos Assis

 

O lucro vai para os bolsos

Dos endinheirados

Dos empolados políticos

Dos grupos empresariais

 

No limite extremo da sobrevivência

O abismo social irreversível

Separa a pobreza

Da doce fatia do bolo

 

 

TERCEIRA GUERRA

Maria José Limeira

 

Dizia-se, à boca pequena,

que a terceira guerra viria

coberta de ouro e prata.

Tudo mentira.

 

A guerra chegou

em andrajos,

com moedas

de pouco valor,

dentro da lata...



- Postado por: Zezé Limeira às 03h21 AM
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




Fome - Cont.

ENQUANTO DOLEIROS SE DELEITAM

Carlos Assis

 

A criminalidade aumenta

O estado assiste inoperante

O comercio de bebidas se agiganta

A burguesia se acovarda

 

 

ENQUANTO OS POLÍTICOS SE DIVERTEM...

Maria José Limeira

 

Aumenta meu sofrimento.

Minha dor se amplia.

Alastra-se meu tormento.

Não sei mais o que é noite

ou dia.

A auto-estima baixa.

O coração fica inquieto

dentro da caixa

torácica.



- Postado por: Zezé Limeira às 03h19 AM
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




Fome - Cont.

OS CEMITÉRIOS FLORESCEM

Carlos Assis

 

Tambores tocam

Rifles cantam

Beatas oram

Pagadores de promessas marcham

 

 

A VIOLÊNCIA JACTA

Maria José Limeira

 

Atrás de cada porta fechada,

uma criança grita

e chora.

Implora misericórdia.

Em toda casa caiada,

o gesto inútil

da mulher violentada

cai por terra...



- Postado por: Zezé Limeira às 03h17 AM
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




Fome - Cont.

A TELEVISÃO EMBURRECE O POVO

Carlos Assis

 

Jovens se revoltam

Criam barreiras nas avenidas

Não existe perspectiva

Garantida de trabalho

 

 

E A MENTIRA CONTINUA

Maria José Limeira

 

Quero ver o Brasil Grande

que a antena da TV

exibe,

como se morássemos

no Paraíso Fiscal

de uma ilha do Caribe...



- Postado por: Zezé Limeira às 03h15 AM
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




Fome - Cont.

AS UNIVERSIDADES SÃO ELITISTAS

Carlos Assis

 

Conviver com o insucesso

Com a morosidade da justiça

Com a violência policial

Traz angustia mortal

Induz a luta de classes

 

 

BRAZIL

Maria José Limeira

 

Na minha cartilha

de ABC,

o País Brasil

seria escrito com S

e não com Z...



- Postado por: Zezé Limeira às 03h12 AM
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




Fome - Cont.

AS GARGANTAS DOS INTELECTUAIS ESTÃO SECAS

Carlos Assis

 

As cidades se tornam

Campos de batalha

De hordas furiosas

Sem teto protestam

Sem terra acampam nas praças

 

 

PÂNICO

Maria José Limeira

 

Quando avisto um soldado

na minha frente,

meu medo se aprofunda.

Troco de calçada.

Peço ajuda ao oprimido

e ao torturado...



- Postado por: Zezé Limeira às 03h09 AM
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




Fome - Cont.

JORNAIS COLORIDOS DE SANGUE

Carlos Assis

 

Bens de consumo

Aposentadoria

Tratamento médico

Lazer, moradia

São sonhos sem esperança

 

 

VERMELHO, EU TE QUERO VERDE!

Maria José Limeira

 

Garotos assassinados

antes de 25 anos de idade.

Meninas vendendo o corpo

por um prato de comida...

Esta ferida rubra

a Mata Atlântica

não consegue esconder.



- Postado por: Zezé Limeira às 03h07 AM
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




Fome - Final

PESSOAS VIVEM DO LIXO

Carlos Assis

 

Famílias se separam

Igrejas prosperam

A degradação moral varre as ruas

A discriminação prolifera

Favelas explodem

 

 

DES-FALECIMENTO

Maria José Limeira

 

A fome é fruto

do des-governo,

do des-emprego,

do des-espero,

do des-preparo,

e da falta de

vergonha.



- Postado por: Zezé Limeira às 03h04 AM
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




RECORDAÇÕES

Maria José Limeira

 

Quando céu escurece,

vai chover.

Quando anoitece,

cadê você?



- Postado por: Zezé Limeira às 12h18 AM
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




DESLUMBRAMENTO
Maria José Limeira

Tão longe de mim, estás tão perto
que até posso tocar-te com os dedos.
Ao largo, no entanto, és meu incerto.
E tão perto assim és meus degredos.

Distante, mar bravio que não toco.
Quanto mais perto ficas mais te avultas.
Tanto mais brado mais além o foco.
Quando cicio, porém, tu não me escutas.

Estando longe, não sabes meu anseio.
Estando perto, contudo, mais descrença.
Tão longe-e-perto sem um termo-meio,
tua proximidade desavença.

Tua distância irrompe no infinito.
Se chegas perto, és só uma miragem,
ora silente e, em seguida, grito
de voz amordaçada em carceragem.






- Postado por: Zezé Limeira às 10h46 AM
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




NOTA EXPLICATIVA. A TODOS.

Senhoras. Senhores. A todos das listas e comunidades onde sou moderadora.

Problemas no micro me afastaram do nosso convívio, espero que por pouco tempo. Porém, continuo lendo tudo como manda o figurino, em micros emprestados, cibercafés e em meus locais de trabalho. Peço desculpas, e aceitem minhas explicações. Um abraço e carinho a cada um de vocês.

Especial agradecimento a Dira Vieira por assumir o comando das nossas listas Oficina Literária e Alameda Santo Antonio, com parcimônia e competência.

Para Verbo, de Zinema  Poesia, o meu apreço.

 Um beijo e saludos. Maria José Limeira.

..........

 

Maria. Vc sempre faz muuuita falta. Tomara que tudo se resolva no menor  tempo possível e possamos ter a sua agradável e polêmica participação.

Felizmente a Alameda se autoconduz. Acho isso muito bom. E a Oficina  está caminhando com excelentes debates. Volte logo, querida.

Dira Vieira

..........

 

Sua presença estará sempre no ar.

Ass.: Verbo

 



- Postado por: Zezé Limeira às 11h37 PM
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




FOLHETINS CAMINHEIROS
Clevane Pessoa / Maria José Limeira
............


Andei estradas.
Naveguei rios e mares.
Sonhei nuvens de algodão.
Levei pedradas.
Respirei maus ares.
Mas ainda é possível
resgatar meu coração...
(Maria José Limeira)


SEMPRE!
Clevane Pessoa de Araújo Lopes

O coração sempre pode ser resgatado,
mesmo em desastre de avião,
mesmo que flutue em bolha de sabão,
ou durma sobre nuvens de algodão:
a sua essência não pode ser posta de lado:´
por ser aroma eterno que não
pode jamais ser acabado,
mesmo que por algum motivo, acabado....



Um coração acabado
não cabe mais
na palma da mão.
Só mesmo
um jeitinho bem brasileiro,
do Rio de Janeiro,
para fazê-lo funcionar
de novo.
Começa a bater
devagarzinho.
Depois... depois...
Bem, depois se vê!
  (Maria José Limeira)


Pois eu, que sempre andarilho
por estradas infindáveis,
muitas  vezes sem destino ,
às vezes em reto trilho,
tenho metas insondáveis
no meu coração menino
que não cansa de sonhar...
  (Clevane Pessoa)



Depois de trilhas
passadas,
milhas e milhas
caminhadas,
o sonho é somente
um pássaro morto
na mão...
A lua é sombra
na escuridão.
  (Maria José Limeira)



- Postado por: Zezé Limeira às 10h52 PM
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




E QUANDO ELE ENTRA...
Maria José Limeira

E quando ele entra
em mim, (avemaria! guenta!),
ainda que a dor pinte,
a idade não é cinquenta,
mas vinte!



- Postado por: Zezé Limeira às 02h12 AM
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




SEXU-AL
Maria José Limeira

No encontro da vagina
com o pênis,
uma flor aberta,
uma hora incerta.
Bate, re-bate a bola
na raquete
como jogo de tênis.



- Postado por: Zezé Limeira às 08h11 PM
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




VERDADE OU MENTIRA?
Maria José Limeira

Quem diz a verdade mente.
Quem mente conta lorota.
Nem sempre o que a gente
sente é caminho, rota,
estrada ou alameda, ida!
Vai ver que é volta.



- Postado por: Zezé Limeira às 11h06 AM
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




MENTIRAS
Maria José Limeira

Digo que sou, sem sê-lo.
Digo que vou, e fico.
Em todo amor há desvelo.
Toda injeção tem pico.

A verdade crua dói.
Ficar só não é brinquedo.
Toda pedra pesada mói
os ossos junto com o bredo.



- Postado por: Zezé Limeira às 11h05 AM
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________





BIOGRAFIA
Maria José Limeira (Ferreira) nasceu em João Pessoa-PB, Brasil, fez curso (incompleto) de Filosofia Pura na UFPB. Presa, em 1964, pelas forças da repressão, no Quartel do 15RI, abandonou seus estudos superiores,auto-exilando-se nas cidades do Rio e São Paulo, onde conviveu com os escritores Aguinaldo Silva, Vinicius de Moraes, Assis Brasil, José Edson Gomes. Conheceu, no Rio, o poeta português e crítico literário Arnaldo Saraiva, da cidade do Porto, que dedicou a ela seu livro ""Encontros/Des-encontros, amizade que perdura até hoje. Retornou à Paraíba nos anos 70, quando ingressou no Jornalismo, começando como repórter até chegar a ocupar cargos de Direção em diversos jornais, inclusive no semanário "O Momento", que ajudou a fundar...

Livros publicados:
"Margem", "Aldeia virgem além", "As portas da cidade ameaçada", "O lado escuro do espelho" (contos); "Olho no vidro"(novelas) e "Luva no grito" (romance). Escreveu também peças teatrais, como "Os maloqueiros", "O transplante" e "O alcoólatra". A peça "Os maloqueiros" recebeu Menção Honrosa em concurso de âmbito nacional promovido pela Prefeitura Municipal de Belo Horizonte-MG. Atualmente, escreve um livro de "Memórias".

Outros textos inéditos:
"Contos da escuridão" (contos), "Todos os seres" (poemas longos), "Crônicas do amanhecer" (crônicas). Foi uma das fundadoras, na Paraíba, do Movimento Feminino Pela Anistia (MFPA-Pb), num esforço conjunto com outras entidades pela promulgação da anistia ampla, geral e irrestrita no Brasil. Atualmente reside em João Pessoa-PB.
Quer entrar em contato comigo? Então escreva:
Email: mlimeira_blog@yahoo.com.br